Pesquisar este blog

13 de ago de 2011

Hippies!



Com o rápido retorno da moda Hippie de volta às ruas brasileiras, decidi criar um artigo sobre este grupo tão importante para a sociedade em geral. Os Hippies são parte do movimento contracultura dos anos 60, tendo sua popularidade caindo drasticamente nos anos 70 nos EUA, mas ganhando bastante força em outros países como o Brasil, a partir desta data.
Uma das frases idiomáticas associada a este movimento foi a célebre máxima "Paz e Amor" (em inglês "Peace and Love") que precedeu a expressão "Ban the Bomb", a qual criticava o uso de armas nucleares.

 Acredito que muitos de vocês conheçam este símbolo ao lado. Sim, é o símbolo da paz, desenvolvido na Inglaterra como logo para uma campanha pelo desarmamento nuclear, e foi adotado pelos hippies americanos que eram contra a guerra nos anos 60.

 Se vocês repararem bem, no seriado "Todo Mundo Odeia o Chris" (Everybody Hates Chris), o personagems Golpe Baixo tem este símbolo pintado atrás da sua camisa.

Os Hippies não pararam de fazer protestos contra a Guerra do Vietnã, cujo propósito era acabar com a guerra. 

A massa dos hippies eram soldados que voltaram depois de ter contato com os Indianos e a cultura oriental que, a partir desse contato, se inspiraram na religião e no jeito de viver para protestarem.

Nos anos 60, muitos jovens passaram a contestar a sociedade e a pôr em causa os valores tradicionais e o poder militar e econômico. Esses movimentos de contestação iniciaram-se nos EUA, impulsionados por músicos e artistas em geral.
O lema "Paz e Amor" sintetiza bem a postura política dos hippies, que constituíram um movimento por direitos civis, igualdade e anti-militarismo.

Como grupo, os hippies tendem a viver em comunidades coletivistas ou de forma nômade, vivendo e produzindo independentemente dos mercados formais, usam cabelos e barbas mais compridos do que era considerado "elegante" na época do seu surgimento. Muita gente não associada à contracultura considerava os cabelos compridos uma ofensa, em parte por causa da atitude iconoclasta dos hippies, às vezes por acharem "anti-higiênicos" ou os considerarem "coisa de mulher".


Outra marca da contracultura Hippie é a Kombi. Desde 1960 até hoje, a Kombi (bem colorida) é um dos principais símbolos dos caras.

Uma outra característica do grupo é a predileção por certos estilos de música, como rock psicodélico The Beatles, Grateful Dead, Jefferson Airplane, Janis Joplin, Jimi Hendrix, Led Zeppelin, Quicksilver Messenger Service, The Doors, Pink Floyd, The Kinks, Bob Dylan, Raul Seixas, Neil Young, Mutantes, Zé Ramalho, Secos e Molhados, os tropicalistas (Caetano, Gil, etc), Novos Baianos, A Barca do Sol , soft rock como Sonny & Cher ,Hard Rock como The Who. Também apreciavam o Goa Trance, isto, quando hippies viajantes, buscadores espirituais e um sem-número de pessoas ligadas a manifestações de contracultura, munidos de conhecimento técnico de produção de música electrónica e de um puro desejo de curtir e experimentar, desenvolveram, de forma intuitiva, um novo estilo sonoro. Um dos principais fundadores deste movimento foi Goa Gil.



No Brasil temos algumas comunidades Hippies espalhadas por praias e comunidades alternativas. Neste contexto, destacam-se a cidade mineira de São Tomé das Letras, o vilarejo Trindade em Parati, RJ, Pirenópolis em Goias, Trancoso e Arembepe na Bahia, etc. No cenário musical, destacam-se o cantor Raul Seixas e a banda Mutantes, que fizeram grande sucesso nos anos 60 e 70 e tem milhares de fãs ainda hoje. Na cena musical contemporânea, destaca-se o cantor Ventania, marcante referência de São Tomé das Letras, MG. Ventania tem em seu repertório inúmeras obras, que falam desde o livre pensar ao desapego material, cultuando a natureza e os ideais Hippes. Há ainda inúmeros festivais Brasil afora, como o Festival Psicodália que se realiza anualmente no sul do Brasil, normalmente em Santa Catarina, e reune mais de 5.000 pessoas por edição.

-

Logicamente, as roupas Hippies vendidas em lojas são bem mais "suaves" que as usadas originalmentes.


Que tal investir em camisas de renda, "tiaras" na cabeça e outros acessórios Hippies para cair de vez na moda, além de ser uma ótima pedida para o Inverno (cores neutras) e Verão (mais coloridas).






Vão, vistam-se e arrasem!!


5 comentários:

Muito legal aprender um pouco mais sobre a cultura Hippie. Parabéns!

Oi André,

Muito obrigado por comentar... Realmente, aprender sobre outras culturas é divertido. Obrigado!!
=D

Achei muito massa este tema, uma vez que já vivi ele no contexto real.  14 anos de correria, ... muitas cores, músicas, amizades, mas também sofrendo muita descriminação.  Quem nos gosta "Amam " e quem não gosta " Odeiam".  É a famosa banda podre,  ...aquela "Não me toque ! Não me rele ! ".  É absurdo que numa época com tanta informação, muitas pessoas ainda não sacaram, e aprenderam identificar um verdadeiro hippie e um mendingo. caminhante,  Um Hippie tem cultura, sabedoria popular, não se envereda na maldade, não se mata nas drogas,...ele as curti, mas não deixa ela os curtir.  O verdadeiro Hippie faz viajem astral, e quando esta viajando, filosofa, e discute questões sociais, fala das constela~ções, da vida, da morte e assim por diante.  Agora se você ´^e um cara fazendo artezanato, com todo aquele visual,... mas não tem idéia pra trocar,... com certeza este não tem alma HIPPIE.   

Valeu !!!

Estou a procura de uma Kombi customizada (Hippie) pra que me levem na igreja no dia do casamento?
Alguém pode me ajudar???
angela.forlevisi@gmail.com

Estou a procura de uma Kombi customizada que possa  levar uma noiva ate a festa no rj. Alguem pode me ajudar? Sera para o dia 25 de agosto de 2012.

Postar um comentário

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More